sexta-feira, junho 27, 2014

Caminhada, expectativas e sociedade

Estou caminhando há 14 dias consecutivos. Dois meses antes disso, quando dava na telha: raramente.

Todos os dias, visto minha calça frouxa, meu tênis não-de-caminhar, uma blusa qualquer e lá vou eu. Programo o aplicativo no celular pra contar quanto tempo tô caminhando, quantos quilômetros estão sendo percorridos e, teoricamente, quantas calorias estão sendo gastas. Tudo bem, tudo beleza. Quem me vê, não sabe que eu tô caminhando. Sou só uma gorda indo de um lugar a outro, como eu queria que fosse.

Desde que me incentivei a caminhar, desde o primeiro dia, tinha na cabeça: "Ok, eu vou. Mas eu vou disfarçada!" -- Porque ninguém merece a reação da sociedade para com os gordos. Porque EU não mereço, porque VOCÊ não merece! Olha, eu sou gorda desde sempre e eu posso passar longos tempos escrevendo sobre expectativas da sociedade, preconceitos da sociedade, zombarias da sociedade. Mas isso fica pra outro dia.

O que me trouxe a escrever foi a caminhada.

Desde que eu comecei a emagrecer, já são 15kgs perdidos! E poucos, muito poucos, notaram que emagreci. No máximo, "tô te achando mais magra". Porque eu sou gorda demais. E alta. E a gordura tá bem distribuída. Então vai ficar difícil de notar assim, gradualmente. Só quando eu tiver perdido metade de mim, notarão. Mas não importa. De verdade, eu gosto assim. Eu gosto de passar desapercebida. Apesar ser gostoso ouvir que se está mais magra, não faço questão de nenhum semi-conhecido me dizendo "oooolha, como você emagreceu!"  Não, obrigada, dispenso.

Meu problema começa quando: comprei uma legging e um tênis de caminhada, para a caminhada. É agora que fode tudo. É agora que: ou eu continuo, ou eu paro.

Sair pra caminhar, fantasiada nesses trajes, implica em uma série de coisas. Implica na vergonha de sair assim. E implica, principalmente, na expectativa das pessoas. Porque, claro, as pessoas se acham no direito de ter expectativas sobre os outros. Sair pra caminhar, fantasiada, implica em pessoas acompanhando sua vida, julgando o ritmo que você tá caminhando, verificando se você está caminhando todos os dias, cobrando que você perca peso - a pior de todas as implicações! Fora os pensamentos que você sabe que passam na cabeça de uns e outros: "Ih, alá a gorda caminhando!", "Poxa, tá vendo? Ela tá tentando!", "Que bacana, a gorda tá correndo atrás, tá querendo emagrecer!". Urgh. Cadê um lugar bem longe de tudo pra eu ir morar?

E tudo isso, veja bem, porque eu resolvi me vestir adequadamente para caminhar durante 30 minutinhos, todos os dias. Imagina se é a gorda na academia. Olha o bullying!

Tá, de fato nada aconteceu e eu sequer saí com a roupa nova. Mas são muitos anos e muita bagagem gorda nas costas. Eu sei de como as pessoas se comportam com gordos. Elas não sabem que as palavras desnecessárias que elas cospem em você, podem te acompanhar pro resto da tua vida. Mas... é só a sociedade sendo a sociedade, não é verdade? Só tratando mal aquilo que lhe é diferente.

Bom, eu tenho que ir. Apesar dos medos e da vergonha, tô bem animada pra estrear o tênis-de-caminhar!
E hoje pretendo até ir mais longe.

Vamo que vamo.

Eu quero emagrecer pra mim. Não pra ganhar um tapinha nas costas, não pra alegrar ninguém.

16 comentários:

  1. Parabéns pela sua iniciativa de mudar de vida e, principalmente, pela coragem de compartilhar. Boa sorte na caminhada e no blog.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do texto, realmente a sociedade nem sempre respeita a diferença. Sou magricela e todos os dias oiço comentários desnecessários: que não como, que sou anorexica, que devia de comer coisas para engordar, que a roupa fica mal, sei lá mais o quê... até fui ao médico preocupada com a minha saúde, estou magra e doente. Estou ótima! É a genética, o metabolismo, o ritmo acelerado do dia a dia. Por isso deixa falarem.
    Já agora, eu também adoro doces, de todo o género, e como um todos os dias, em quantidade reduzida. O chocolate, a minha perdição, substitui por chocolate preto, no principio não achava doce o suficiente, mas agora adoro. Eu vou continuar a dieta da engorda e desejo-te muita força para a tua dieta! Beijinhos (p.s. já fui gordinha na adolescência, reeduquei a minha alimentação com ajuda médica e hoje sou assim, quer dizer que a felicidade não está num kg a mais ou a menos, o que conta é a nossa saúde)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Ana, obrigada por seu comentário!

      As pessoas falam mesmo! Nunca cansam de falar. Sempre tem algo errado com você. Só que não é assim, a gente sabe.

      Eu também adoro chocolate, mas ainda não acho o preto tão gostoso. É a mesma questão que você tinha, não acho doce. Mas digo ainda porque meu paladar está mudando. E vai mudar pra melhor!

      Muito obrigada pelo seu comentário e te digo que adorei ter uma companhia "magricela" aqui :D haha diferentes, mas unindo forças!

      Beijão pra você!

      Excluir
  3. Só falta uma coisa! Deixar a vergonha em casa e usares as tuas leggings e ténis de caminhada! Quero a foto! Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Já tô usando a fantasia, Ana! haha. Vou ver como faço com o esquema de fotos.

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  5. Tenho alguns obesos em tratamento. O que acho mais difícil é a pessoa se imaginar magro. Essa palavra gordo dita muitas vezes permanece no subconsciente definindo nossa identidade. É muito diferente eu dizer sou gordo e dizer estou gordo. Quando a pessoa que está obesa decide se tornar magra e começa a imaginar que chegará no peso desejado, fará cada atividade centrada em seu desempenho pessoal, as outras pessoas se tornam secundárias, sou eu comigo mesmo, curtindo cada quilo jogado fora, e me gratificando passo a passo com alegria e entusiasmo. Vencer a obesidade não é uma ação coletiva, é um desafio pessoal com mudanças significativas em nosso padrão de pensamento e atividades de vida diária.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu problema foi que eu demorei a me enxergar obesa. Me imaginava magra mais do que devia.

      Muito agradecida por suas palavras!

      Excluir
  6. Adorei o texto! É assim mesmo que me sinto, essa pressão nos olhares quando visto minhas roupas de malhar, ou melhor, minha fantasia rs, e vou fazer meis exercícios. Sinto como se todos me olhassem na academia e se perguntando "o que esta gorda está fazendo aqui?", mas não ligo mais. Antes confesso que ligava bastante, mas hoje sei que faço o que faço para mim, para a minha saúde, para a minha família e meu noivo, que se preocupam com meu futuro! O resto é o resto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por sua visita e palavras, Lulu!

      Tô considerando academia também. Vamos lá, o que importa é a gente e quem gosta da gente. FOCAR nisso!

      Beijos!

      Excluir
  7. Oi, qd vi seu blog, logo me interessei pela sua história, pq assim como vc , minha batalha é longa, e eu tb passo por crises semelhantes a sua, meu peso máximo foi de 149kg , hj estou com 126kg e tds os dias tenho q passar por pessoas q me olham como se eu fosse lixo, mas continuo lutando...Vou colocar seu blog nos favoritos e acompanhar sua trajetória. Tenha força e n perca o foco.Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gisele! Que bom ler seu comentário! Adoro quando a gente encontra alguém que pesa tanto quanto a gente, que ainda tem toooodo um caminho pela frente! Você tem blog? Adoraria poder ler suas histórias!

      Não sei nem se você vai ver essa resposta, mas seja MUITO bem-vinda! Saiba que vou adorar ler seus comentários!

      Beijo! E continuemos lutando! :')

      Excluir
    2. Eu tinha um blog, mas parei de escrever nele pq minhas histórias são bem tristes e eu preferi deixa-las pra tras em vez de recorda-las , mas eu tenho um instagram, eu estou te seguindo la e vc ja esta me seguindo tb, eu sou a dietdukandiary
      Gostei muito mesmo daqui, visitarei sempre

      Excluir
    3. Tem toda razão! Se te faz mal, melhor deixar pra trás.

      Adorei saber que você é a dietdukandiary, de lá já simpatizava contigo! :))) Beijoo!

      Excluir
  8. Oi! Tô começando a seguir seu blog hoje, vou ler aos poucos, e já me identifiquei muito com você nesse post. Quero voltar a fazer caminhada, gosto muito, mas estou pensando em caminhar aqui pelo meu bairro mesmo, como se estivesse indo a algum lugar... De tênis, claro, mas que ninguém perceba que estou caminhando. Vida difícil essa nossa, né? Tudo de bom pra você! Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Flaviana! :D Seja muito-bem vinda.

      Faz isso! Bota o tênis e finge que vai a algum lugar. Passa desapercebida enquanto for necessário pra você. Depois de um tempo, você nem vai ligar mais (vai por mim). Caminhar é muito bom mesmo e ajuda bastante a emagrecer. Nada como uma voltinha no bairro!

      Já adorando sua companhia. <3
      Beijo. Força! Você vai conseguir!

      Excluir

Receba os novos posts por e-mail!