sexta-feira, agosto 25, 2017

quarta-feira, agosto 23, 2017

sugar

you know better by now than to eat sugar.
you know how lethargic you get and how drugged up you feel. it appears now, even in small dosis.

you ARE still doing fine. so fine! more foccused and more able to say right from wrong when it's about your compulsatory eating.

it's ok if you indulged yourself now.
it's ok. just don't do it again tomorrow. don't be a child, take responsibility for your choices.

for your body, your health and your principles that you carelessly chose to ignore, just to selfishly eat a piece of chocolate.

but you're doing good.
i'm not gonna be hard on you. more like the opposite; i'm gonna CHOSE to be gentil with you us.

lemme hug you, ms. s.



----------
funny enough, i just found a draft here about the same sensation:


"I feel drugged up.

My eyes are now only able to move slowly, my heart is racing and I feel out of place because of the high amount of sugar I've been
consuming all day.


I actually never been drugged up in life, but I've seen those people in the movies and I feel like them.

(...)"

sexta-feira, abril 14, 2017

April

O dia tá esquisito, mas de autorreflexão.

Notei que é segunda ou terceira páscoa em que estou mal. Nada que ver com a páscoa, mas há algo sobre Abril.

O celular está no silencioso; ou estava, acabou de tocar. Novamente está no silencioso.

Tem muita coisa errad que precisa ser corrigida sobre mim e parece que tá tudo junto, então vou escrever o que vier à cabeça, sem muita pretensão de fazer sentido ou contar história.

Preciso recuperar minha senha do flickr, pra continuar aquela história.
Estou escrevendo aqui, para continuar a história.
A história sobre mim. Que, apesar de achar o contrário quase sempre, só interessa a mim.
Preciso parar com essa síndrome de celebridade. Ainda me falta 1 para 400 seguidores no instagram. Sendo a maioria spam gringo não-solicitado. (risos autodepreciativos e vergonhosos por isso?)

Eu poderia fazer um blog novo, pessoal. "Pessoal", rs. Todo mundo tem mania de celebridade.
Eu queria uma coisa nova. Eu achei as fotos do meu feed no instagram muito feias. Escuras ou opacas, sempre com cara de baixa qualidade e a cara da pobreza. Até aí, paciência, sou pobre.
Eu queria um feed novo. Ou um instagram novo. Pra postar comidinhas bonitinhas.

Engraçado.
Ainda hoje li uma fotógrafa que gosto muito falando sobre "não ignorar o passado, o caminho, pois você só está onde está, por conta dele". O que soa muito clichê agora que vi escrito, e em português, mas não passa da verdade.

O que eu ia dizer é que: minhas fotos feias e mal iluminadas (as quais, muitas vezes, as fiz assim intencionalmente, para que ninguém descobrisse minha real identidade fotógrafa, pois sou louca varrida da cabeça...) me inspiram. Eu olho pra elas e tenho ideias, relembro, vejo que posso fazer coisas que não venho fazendo.

Escrever sempre me fez bem. Fiz o AECF para escrever mais livremente sobre esse assunto (comida, ser gorda), desvinculando tudo isso da minha imagem perfeita (que só existe na minha cabeça, visto que não sou alguém famosa e não existe ninguém cobrando absolutamente nada em relação à perfeição de mim.).
Antes desse, tinha outro blog. Que estou tentando acessar nesse momento, para ver se posto este texto lá ou aqui.
O importante é que eu preciso de um espaço.

A verdade é que eu preciso de tantas coisas.
A psicóloga me diz que a compulsão alimentar vem do guardar rancores e sentimentos. Provável.

O que há com Abril? Seria o aniversário da minha mãe, que se torna, então, o meu inferno astral?

Dentre o que preciso, consigo destacar facilmente:

o meu apartamento.
dinheiro.
paz na cabeça.
emagrecer.

temporários imediatos:
parar de comer tanto nessa páscoa. ou em todas, não reparei.
pentear o cabelo.
estudar. não consigo concentrar.
sacudir a semi-depressão que se instalou.

Desde ontem, quando prometi à minha melhor amiga, não estou com muita vontade de me entregar à vontade autossabotadora de comer já aquele ovo de páscoa ali.
Don't get me wrong, não é como se eu tivesse em dieta (até estou, passada pela nutricionista!-mas não estou seguindo), sem comer um chocolatinho sequer.

A compulsão.
Desde sábado passado, comi o total de 3 caixas de bombom, 6 barras de chocolate. Inteiramente sozinha. (B. comeu uns 3 bombons de uma dessas caixas, mas não acredito que conte, não é verdade?)

A psicóloga me pergunta se havia culpa, depois.
Não, lhe respondi.
Mas houve culpa depois de comer uma barra que ganhei no trabalho, inteira, sozinha, no próprio trabalho. Me senti um lixo. Provavelmente por estar "em público" (não havia ninguém perto no momento, só a câmera) e pela possibilidade de ser julgada por isso.

O outro navegador não quer abrir, ainda não tentei logar no outro blog, vou postar isto aqui mesmo.
No fim das contas, tem tudo a ver com emagrecer (não emagrecer).

Eu noto que tenho vontade de me sabotar o tempo inteiro.
Eu desconfio que tenha vontade de postar aqui e não no outro blog, pessoal, para me sabotar.
Eu tenho uma vontade oculta que minhas amigas descubram esse blog e venham aqui ler minhas vergonhas, struggles. Duas amigas específicas. Uma, eu queria até mesmo compartilhar esse blog. A outra, queria que lesse e me julgasse, me achasse patética.

Por que faço isso comigo?

A resposta, eu sei.

sexta-feira, janeiro 01, 2016

quarta-feira, julho 29, 2015

Julho

Oi, blog. Deixa eu falar contigo, deixa eu parar de te evitar (mesmo que subconscientemente).

Eu não engordei. Não recuperei meus 35 quilos perdidos. Também não estou num efeito platô. Eu tenho um novo peso, 122-124kg. Em semanas mais gordinhas, 124, em semanas mais magrinhas, 122. E é isso. Eu assumi essa verdade. Tenho um peso "fixo". Bom pra mim! Não engordei tudo de novo e não estou engordando.

Precisava aceitar essa verdade. Essas. Tenho um peso fixo E preciso deixar pra lá a história dos 35 quilos perdidos. Sim, eu perdi. Sim, foi legal e eu me superei e nunca achei que seria capaz disso. Sim, todo mundo já viu. (Aliás, quanto mais pessoas sabem, menos importância tem, mais acomodada na história de sucesso passada, fico.) Next. Aquela eu de 155 quilos já não existe! Preciso é saber lidar com essa aqui de 122 e seguir adiante com ela. Eu já sou outra pessoa. Eu tenho uma outra realidade, agora. E ela continua gorda. Chega de viver o sucesso do passado e só. Preciso de sucesso atual. A cada dia, a cada semana. Infelizmente, não vai dar pra continuar contando progressivamente até chegar aos 40, 50kgs perdidos. Deixa que, no final, eu conto os números todos juntos.

Eu sabia que precisava aceitar. Aceitei, então! Vou recomeçar. Peso 122 e quero perder esses vinte-alguns até o fim do ano. Não sei se vai acontecer, mas, querer, eu quero.

A jornada da eu de 155kgs acabou. Não adianta forçar continuar ali, naquele trajeto. Pessoas mudam sempre, caminhos também. Que dirá o caminho de alguém que conseguiu, sozinha, perder tantos quilos de si.

A meta é a mesma, sempre vai ser a mesma. O caminho, no entanto, pode ser outro.

Por que não jogar o jogo da mente, se é ela que manda?

Receba os novos posts por e-mail!